ITÁLIA - Dia 01: Paris - La Spezia

Há muito tempo que pretendíamos fazer uma viagem de carro pela região da Toscana, na Itália. Finalmente conseguimos e de quebra resolvemos ampliar nosso roteiro para outras cidades de regiões vizinhas, a Ligúria e a Úmbria. Já ouviu falar destes nomes? Até começar a definir o roteiro, nós não. Mas depois descobrimos que a Toscana é uma região linda... próxima de outras regiões igualmente lindas... ou mais. Será?

Nossa viagem começou em Paris, onde morávamos na época. Essa foi nossa última viagem antes de retornar ao Brasil, depois de morarmos por 11 meses em Paris e já termos viajado por outros sete países. Ganhamos alguma experiência em viagens de avião internas na Europa e em viagens de carro pelo velho mundo. Era nossa viagem de despedida. Era início do verão, época em que os campos de girassóis estão floridos. Época em que os dias são mais longos. Época em que sentar à sombra de uma árvore e ouvir o barulho do vento entre as folhas nos faz relaxar numa preguiça boa em um piquenique pelo interior. Época em o mar Mediterrâneo se torna possível de ser adentrado para um banho bom.

Decidimos iniciar e finalizar nossa viagem área por Pisa. Esse era o destino mais próximo que a empresa aérea EasyJet oferecia saindo de Paris para iniciarmos nossa viagem de carro. Pisa já havíamos conhecido quando mochilamos em 2001 pela Europa. Na época, paramos por duas horas na cidade quando vínhamos de trem de Barcelona à Florença (Firenze). Como a diária do Europass permitia trocas de trem sem gastos adicionais, aproveitamos e fomos a pé da estação de trem até os monumentos mais conhecidos, especialmente para ver a Torre inclinada. Em duas horas, conseguimos percorrer o centro antigo e visitar externamente os monumentos. Já tínhamos a sensação de ter estado lá. Pisa era a princípio nossa porta de chegada e saída, e se desse, visitaríamos no final. Nesta mesma viagem de 2001, visitamos também Florença, Roma e Veneza. Fizemos um troca de trem em Milão que nos permitiu passar 6 horas de madrugada na cidade (maior furada: imaginávamos uma cidade viva durante a noite mas não encontramos nenhum lugar aberto pra nos refugiarmos - conclusão, revezamos coxilos sentados num ponto de ônibus, pois até a estação de trem fechou durante um período da madrugada o que nos impossibilitou de entrar novamente pra dormir).

Nesta viagem, queríamos percorrer estradinhas bucólicas de carro e por isso decidimos evitar cidades grandes (e complicadíssimas de dirigir e terríveis de se estacionar). Por isso elegemos os povoados e cidades de menor porte, e mesmo assim, procurando hotéis mais afastados ou periféricos pois em alguns lugares é proibida a entrada de carros, e como não gostaríamos de ficar carregando malas (além da "malinha" de nosso bebê que na época tinha 1 ano e 7 meses...) Fizemos sempre opções de hotéis com estacionamento. Se isso significasse alguns quilômetros de distância, não seria problema para nós.

Aterrissando na Itália

Escolhemos um horário que tivesse bom preço e que nos permitisse chegar em horários convenientes para pegarmos o carro que já havíamos reservado na Sicily By Car. Em Pisa, quando se chega ao aeroporto, é necessário seguir até um outro pavilhão onde se encontram todas as locadoras de veículos (várias empresas mesmo). Dá pra ir a pé ou tomar um ônibus gratuito que fica circulando. O trajeto é realmente pequeno, tanto que perdemos o ônibus e resolvemos ir a pé. A comunicação no guichê do carro foi em inglês. Pegamos o GPS com a opção de idioma "português do Brasil" e na voz feminina fomos com "Gabriela" circulando Itália à fora. Estranhei que no formulário do Peugeot 107 não constava nem a quilometragem já percorrida e nem a sinalização de riscos na lataria. Daí questionamos e o cara disse que não precisava. Achamos muuuito estranho. Encontramos o azulzinho no estacionamento e depois de carregarmos a bagagem, instalarmos a cadeirinha do Joaquim e sentarmos dentro do veículo é que entendemos o italianinho: o carro marcava 6 km. Sim, um carro zero quilômetros pra nossa aventura!! Uhuuuuuuu!!!

Seguimos empolgados até nosso primeiro hotel na cidade de La Spezia, região da Lígúria, há 80 km de Pisa. Em La Spezia não queríamos nada além do pouso. Nosso objetivo era firmar ali nossa base, deixar o carro em segurança e seguir de trem, no dia seguinte, para Cinque Terre.

A viagem foi tranquila. No caminho, em certo momento do final da tarde, vimos algumas montanhas "nevadas". Eram altas, lindas, com a "neve" seguindo do alto até o chão. Estranhamos porém, pois estávamos mais ou menos ao nível do mar e em pleno verão. Que diacho de neve era essa que seguia até o chão mas numa região que não estava fria? Em seguida passamos por um placa que indicava: Carrara. Rimos de nossa "ilusão" e ficamos fascinados com a visão das montanhas de mármore.

Chegamos ao Hotel Ghironi (4 estrelas) que possui um estacionamento aberto. Ele fica distante da estação de trem e de barco, mas oferece um serviço gratuito de transfer com várias opções de horários (era preciso se inscrever pra reservar o horário na van, tanto pra ir quanto para voltar).
Fizemos a reserva de duas noites pelo Booking.com. Pagamos tarifas diferentes, um dia 109 euros e no outro 99, incluido café da manhã, berço e o estacionamento (há hotéis na Europa que cobram pelo estacionamento).

Já vinhamos planejando esta viagem para ser realizada há cerca de três meses, mas devido a um problema com passaporte tivemos que cancelá-la. A maior parte do roteiro foi mantido. O que realmente mudou foi o começo e fim da viagem. Havíamos planejado chegar na Itália por Milão, pois o preço da passagem naqueles dias compensava, mas principalmente por que da Itália seguiríamos para a Grécia, e de Milão havia vôos para Atenas. Como retiraríamos e devolveríamos o carro no mesmo aeroporto, Milão se tornou a opção. Daí nossa cidade de base para Cinque Terre seria Rapallo (cerca de 160km de Milão - de Milão a La Spezia são cerca de 220 km). Rapallo fica no outro lado de Cinque Terre (entre Gênova e Cinque Terre), utiliza a mesma linha de trem e parece ser uma cidadezinha bem bonita.

2 comentários:

  1. Ismael. Aline.
    Li toda a viagem de vocês pela Itália e mudei radicalmente meus planos quanto ao que vou fazer em maio próximo.
    Eu + minha filha (adulta, não mais um bebê!!!) conheceremos a Itália por nossa própria conta.
    Mas é assim: desembarcaremos em Milão de onde seguiremos, sem pernoite, para Paris onde ficaremos quase 6 dias. De Paris voaremos direto para Roma onde começará efetivamente nossa viagem italiana. De Roma iremos de trem até a região das Marche onde andaremos por cidadezinhas medievais origem da minha família)já em direção à Toscana, até tomarmos o vôo de volta ao Brasil, de Milão, após 14 dias na Itália.
    Pergunto:
    1) Vocês fizeram as reservas de hotéis e B&B com antecedência, diretamente?
    2) A que horas costuma ser a desocupação dos B&B?
    3) E os bilhetes de trem? Compraram antes?
    4) Fora uma ou outra piração da "Gabriela", sentiram-se seguros com o GPS?
    5) Não tiveram problemas na entrega do carro? Abastecimento também se faz com cartão?
    6) Vocês andavam pra lá e pra cá com uma mochila apenas, deixando a mala no hotel?
    7) Viram-se explorados alguma vez, tipo "pequenos golpes" no turista?
    8) Alimentavam-se do café da manhã, das coisas que compravam pra pôr na mochila e faziam uma refeição legal à noitinha?
    9) Como funciona a tal "validação" dos bilhetes de trem?
    10) A viagem pelas Cinque Terre, de trem, valeu a pena ou é mais legal de barco?
    Finalmente, com relação a Paris, é legal já ir com "tour" e passeios pré-adquiridos ou vale contratar por lá mesmo? O Mont San Michel é muuuuito bonito mesmo (tenho especial interesse em conhecer): no caso, nessas Vans de agências?
    Desculpem o tanto de perguntas; espero que possam me ajudar além do que já ajudaram com a descrição excelente da viagem, em bom Português.
    Muito obrigada,
    Cláudia. (claudiakrauss4@gmail.com)

    ResponderExcluir
  2. olá! Vcs tiveram problemas com a locadora de carro sicily?? ela é bem mais barata e estamos com medo de arriscar!
    obrigada.
    thamy (thamycorrea@hotmail.com)

    ResponderExcluir