EM CONSTRUÇÃO

BLOG EM CONSTANTE ATUALIZAÇÃO - FIQUE LIGADO

ITÁLIA - Dia 05: Montalcino, Montepulciano e Pienza

O dia amanheceu muito ensolarado e fazia calor, caprichamos no protetor solar. O dia prometia! 
Planejamos neste dia visitar três cidadezinhas em direção ao sul de Siena. A primeira foi Montalcino, a cerca de 50 km de Siena.

Andando pelas ruas, vimos numa das extremidades da cidade uma fortficação. Aproveitamos para caminhar sobre as muralhas, pegar um vento fresco e desfrutar da vista fantástica da cidade e da paisagem, que se podia ver longe, campos e colinas.



Nosso dia foi marcado pelos campos de girassóis, uma mais florido que o outro, maior, explorando as ondulações das colinas. As fotos foram infinitas e matamos a vontade de invadir alguns campos e andar entre os girassóis, ouvir o barulho do vento sobre as flores, o zumbido de tantas abelhas e o cheiro de mel que se proliferava com o calor do sol. Se em algum guia turístico você leu "aproveite e perca-se pela estrada", siga o conselho, pois nessa região 20 km podem significar algumas horas de sorrisos e suspiros que vale a pena aproveitar. 

Campos de girassóis e rolos de palha. Amarelo e dourado nas paisagens.

De Montalcino fomos para Montepulciano, nosso destino mais distante de Siena. Dirigimos cerca de 40 km e passamos próximos a Pienza, um dos destinos, mas decidimos parar ali na volta. Avistamos Montepulciano ainda da estrada sobre a colina, e não fomos os únicos a parar o carro no acostamento e tirar algumas fotos. Os contornos dos vilarejos inspiram fotos e o desejo de parar a cada tanto torna a viagem mais lenta, e por isso mais bonita. 


Deixamos novamente o carro em um estacionamento público (e pago) nas bordas da cidade. Você paga o cartão com moedas e programa o tanto de tempo que você quiser. E não tem jeito, entrar nestas cidadezinhas é impossível. E a beleza delas está em se perder pelas poucas ruelas medievais de paredes marcadas pela história e pelo tempo.



E que tal depois de testar a acústica e a profundidade deste poço com um grito, sentar ali e tomar um sorvetão italiano? Parece cenário de algum filme? E é assim que a gente se sentiu por lá.


Montepulciano, no alto de uma colina, oferece uma vista linda da região. Aliás, na Toscana, praticamente todas cidadelas ficam no alto de um monte, muradas, como o período medieval exigia que fosse.


Pienza era última cidadezinha prevista para esse dia.Voltamos cerca de 13 km, e lá estava ela, tranquila como um final de tarde de calor de verão pede para ser. Deixamos o carro estacionado numa rua bem próxima a parte antiga (existe uma parte bem nova da cidade, que em nada lembra uma cidade medieval e até nos perguntamos por que ela estava em nosso roteiro). Nestas três cidades de hoje vimos bem menos turistas e especialmente em Pienza pudemos sentir o ritmo da vida local. O dia já começa a se inclinar e a população tomava as ruas, daquele jeito que imaginamos nas cidades do interior da Itália: as senhoras idosas reunidas em um lado da praça, os senhores de chapéu de outro, crianças jogando bola, até um padre jovem de batina preta esvoaçando ao vento a gente viu... Pienza é linda, a cidade que mais curtimos no dia de hoje. Nos perdemos entre suas ruelas (como se fosse possível se perder  de fato) - o melhor seria dizer que flanamos despreocupadamente entre os labirintos que nos encantavam com as flores vermelhas nas janelas e varandas.



Conseguimos circular tranquilamente de carrinho com Joaquim. As ruas de pedra permitiam uma circulação tranquila, e mesmo a possibilidade de ele caminhar à vontade, livre, leve e solto.


Os dias durante o verão na Itália são mais longos o que permite com que as andanças rendam bastante. O pôr do sol também é longo, o que permite ver a paisagem se transformando a cada curva e colina das estradinhas, dando colorações incríveis ao campos de girassóis, as videiras e aos campos recém ceifados com seus rolos de feno. Nosso dia terminava com mais um desses pôr-de-sol fantástico. Tínhamos cerca de 50 km a percorrer até o hotel pelas estradinhas que já havíamos passado na vinda. Resolvemos seguir o conselho que todo mundo dá de parar em algum lugarzinho na beira da estrada pra respirar a Toscana. ficamos atentos procurando o lugar ideal onde encostar o carro e apreciar a paisagem. Acabamos entrando num lugarejo chamado Lucignano d'Arbria, por onde já havíamos passado na vinda, cercado ao máximo de girassóis em flor (o GPS nem identificava o lugar - mas procurando hoje conseguimos achar no Google Maps). Meia dúzia de casas de uma arquitetura típica da região (nem chegamos a caminhar pelas 2 ou 3 ruas) e um hotel que tinha um pátio de estacionamento amplo e vazio (foi o que nos atraiu da estrada) e que nos possibilitava parar o carro e deixar nosso filhote bem ao nosso alcance enquanto dormia sossegado no carro de portas escancaradas pra deixar a brisa entrar. Sentamos numa encostinha elevada (como a Toscana no verão pede que você faça) de onde podíamos ver campos infinitos de girassóis e videiras e o sol fenomenal se pondo no horizonte. O tempo parou. Talvez toda viagem tenha existido para que apenas aquele momento fosse possível.



Seguimos sorridentes pro hotel, menos de 20 km dali, já noite feita. Chegamos exaustos, depois de descobrirmos que a Toscana realmente existe.



Exibir mapa ampliado

9 comentários:

  1. Olá Ismael e Aline, muito bom o relato dessa viagem. Vou dar uma olhada nos outros dias em breve.
    Gostaria de saber se todo esse trajeto que vocês fizeram dentro da Itália, é possível fazer por trem.
    Eu e minha namorada estamos pensando em fazer FLORENÇA - SIENA - PIENZA (E REGIÃO) - PISA E VOLTERRA (depois iriamos para Ferrara e Veneza).
    A única coisa é que faremos isso no inverno então não pegaremos toda essa cor da Toscana que vocês provavelmente aproveitaram bastante.

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Robert!
      Obrigada pela sua visita aqui no blog!! Seja sempre bem-vindo!
      Respondendo a sua pergunta, nós não sabemos afirmar com certeza, principalmente porque sempre planejamos fazer esta viagem de carro. Mas nos parece que as cidades menores, como Pienza e Volterra, por exemplo, são mais difíceis de chegar de trem, pois em geral ficam no alto de colinas. Mas como não temos certeza, talvez fosse legal você dar uma pesquisada também neste blog - http://toindoparaaitalia.blogspot.com.br/.
      Mas vou aproveitar pra colocar uma pilha, vocês chegaram a cogitar a idéia de alugar um carro para fazer ao menos um trecho da viagem? Na Itália pagamos um dos aluguéis mais baratos (na época pegamos na Sicily by car, não sei se ainda é o melhor preço -http://www.autoeuropa.it/newae/booking/en/index.aspx?gclid=CIDogZbX7LMCFQjznAodtl8A0A), e é meio mágico rodar pelas estradinha da Toscana, imagino que no inverno as cores sejam menos intensas, mas ainda assim, ver as cidades medievais surgindo ao longe nas colinas... é lindo! Fora a delícia de poder parar onde e quando quiser! Ah, não é necessária a habilitação internacional e o GPS é indispensável para perder-se tranquilamente pelos caminhos da Toscana!
      Boa viagem pra vcs!!

      Excluir
  2. Olá Aline!

    Qual mês que foram e conseguiram pegar o campo de girassóis floridos? Julho?

    Amo a Italia e quero fazer Campo de Girassois e lavandas, mas acho que só consigo viajar em agosot do ano que vem.

    Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Sim, nós fizemos esta viagem pela Toscana em Julho. É o mês em que os girassóis estão no auge! Em agosto corre o risco de eles já estarem caidinhos, infelizmente... De qualquer forma desejo uma ótima viagem desde já e qualquer dúvida, estamos por aqui! Abraços.

      Excluir
  3. Olá, Aline e Ismael,

    tudo bem?
    Encontrei o site de vcs procurando informações sobre a Itália. Pretendo viajar com meu esposo pra lá em junho de 2014. Gostaria de saber se vcs podem nos ajudar a tirar algumas dúvidas quanto à viagem de carro na Toscana.
    Vamos ficar em Siena como base para alguns bate e voltas incluindo algumas das cidades que vcs foram: Pienza, Montepulciano, Monteriggioni... Tenho pouca prática de carro e já fui alertada quanto à dificuldade de se dirigir na Itália. Queria saber se é fácil dirigir nas pequenas cidades e estradinhas da Toscana ou se a experiência é só um pouco menos traumatizante do que dirigir em Roma e Florença?
    Costumam ficar distantes os estacionamentos dos centros históricos? Sei que vcs foram em julho e iremos em início de junho, mas costuma anoitecer que horas nessa época?
    A nossa pretensão inicial era viajar de ônibus nessa região, mas pesquisando vi que há pouca oferta de horários entre as pequenas cidades, o que vai nos dificultar o deslocamento entre elas, permitindo visitar 1 ou, no máximo, 2 pequenas cidades.
    Muito obrigada,
    Iana

    ResponderExcluir
  4. Olá Iana! Obrigada pela sua visita aqui no blog!! E desculpe a demora para te responder! Nosso bloguinho de viagem anda meio esquecido... Mas adoramos dar dicas e ajudar no que for possível quando o assunto é "pé-na-estrada"! Vcs vão fazer exatamente o que fizemos: fixar base em Siena e circular pelas cidadezinhas ao redor! Achamos que assim fica menos cansativo pois evita o troca-troca de hotel, desfazer malas, etc. Nós ficamos num hotel muito bom, fora da parte histórica da cidade (Sangallo Park Hotel), com estacionamento incluso, coisa que nos hotéis dentro da parte histórica dificilmente vc tem.
    Dirigir pelas estradas da Toscana é uma delícia! São estradas ótimas. Nós sempre usamos GPS pra dirigir na Europa, o que nos permitia escolher as rotas fora das autopistas e pegar estradinhas pitorescas e tranquilas (sempre asfaltadas!). O que não aconselhamos é entrar nas cidadezinhas de carro, algumas nem é permitido, e quando é, as ruas são tão estreitas que as vezes parece que o carro vai "entalar"! O ideal é deixar num estacionamento fora dos muros que geralmente circundam as cidades, tem bastante opções e geralmente ficam próximos às entradas nos muros.
    Nós super aconselhamos a ir de carro mesmo, dá muito mais liberdade e vc pode parar quantas vezes quiser para se deliciar com a paisagem!!
    Desejamos a vcs uma ótima viagem!!
    Aline e Ismael

    ResponderExcluir
  5. Amei o artigo!! Tenho uma verdadeira paixão pela Itália, e pretendo passar um mês por lá próximo ano. Queria ir em setembro, pois já é o finzinho do verão começando o outono, no entanto, acabei de me dar conta que não poderei ver esses lindos campos de girassois! Julho é verão lá, correto? O valor das coisas aumenta muito?

    ResponderExcluir
  6. Que delícia de relato!!! Já pude me sentir lá...irei em Junho para a Toscana e farei de carro a rota do vinho saindo de florença, ficarei uns dias numa cidadezinha pequena chamada castellina in chianti e daí quero seguir para as três cidades que vc trouxe nesse post, mas quero pernoitar em uma delas...estou mto inclinada em pernoitar em pienza.
    Mas fiquei muito curiosa quanto ao GPS que vcs usaram, pois pensei em usar o waze (irei comprar um chip com internet sssim que eu chegar lá), mas estou na dúvida se uso ele ou compro algum GPS mesmo. Vcs indicam algum?!
    Eu dirigi pela Sicília ano passado usando o waze, mas confesso que como era minha primeira vez fiquei com receio de pegar rotas alternativas que não a auto estrada e acabei perdendo vistas maravilhosas do mediterrâneo e cidadezinhas maravilhosas...
    Bom, grata pelas dicas!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Obrigada pela visita!! Que legal que vc está indo pra lá! E na melhor época!! Sobre a sua questão, nós ainda não usamos o Waze numa viagem assim, então não saberia te dizer o quão melhor, ou pior, é em relação ao GPS. Sei que tenho gostado dele aqui no Brasil. Naquela época nós alugávamos o GPS junto com o carro, então era o que vinha, mas em geral era TomTom ou Garmin, que acho que estão entre os melhores.
      Mas sinceramente, acho que com o Waze, TomTom ou Garmin, você pode (e deve!) se perder sem medo pelas estradinhas secundárias, elas guardam os melhores detalhes da região! Beijos e aproveite muito!!! ;)

      Excluir