EM CONSTRUÇÃO

BLOG EM CONSTANTE ATUALIZAÇÃO - FIQUE LIGADO

ITÁLIA - Dia 04: Volterra, San Gimignano e Colle di Val d'Elsa

Acordamos, tomamos nosso café, carregamos o carro e partimos para um dia de desbravamento. Planejamos dois roteiros de povoados e cidadezinhas para conhecer, um roteiro em direção norte de Siena (que faríamos neste dia) e um roteiro rumo ao sul (para o dia seguinte).
Pausa para um parêntesis: (aqui começava de fato uma viagem com a qual sonhamos há muito tempo atrás, desde que, num dia qualquer, num supermercado qualquer, ainda no Brasil, vimos uma edição da revista Viagem&Turismo com sugestões de roteiros para se fazer de carro na Europa. Compramos a revista, lemos a matéria e decidimos que um dia faríamos uma viagem de carro pela Itália, na região da Toscana. Pronto, estava acontecendo, foi só uma questão de tempo... e vontade... e fazer acontecer...). Fecha parêntesis.

Como estávamos descansados, decidimos começar o passeio indo até o destino mais distante e ir voltando. Assim, ao final do dia, já estaríamos mais perto de casa. Seguimos então até Volterra, num trecho de cerca de 60 km que levamos quase 2 horas pra percorrer. Estradas sinuosos, paisagens lindas, e um desvio na estrada que nos fez dar uma volta enorme. O mais engraçado é que a caminho de Volterra começamos a ver os campos de girassóis e fomos à loucura! Parávamos para fotografar a cada curva. Mal sabíamos o que vinha pela frente!



Em Volterra descobrimos que havia ruínas de um teatro antigo, caminhamos pelas ruelas fotografando detalhes da cidade e encontramos um parque onde Joaquim se esbaldou nos brinquedos ao ar livre. Lá também brincamos de Frances Mayes, personagem de "Sob o sol de Toscana", quando nos deparamos com anúncios de uma imobiliária com imóveis à venda. Escolhemos a villa perfeita!


ruínas de um Teatro romano em Volterra

Parque gostoso de caminhar, e brincar!

Que tal fazer como a escritora de "Sob o sol da Toscana"?

Próximo destino foi San Gimignano, a cidade das Torres. As torres eram construídas pelos nobres como sinal de ostentação, San Gimignano ainda mantém 14 das suas 72 torres originais. Era muita nobreza, considerando-se o tamanho da cidade! Abaixo a cidade vista desde a estrada. Um carro atrás do outro parava nesse mesmo lugar pra faturar uma foto pra lá de italiana.
algumas das muitas torres da cidade

A cidade toda de pedra é muito bonita e as torres e prédios altos são presença forte no local. A cidade estava bastante movimentada nas ruas principais, bastante turistas por ali. Então resolvemos nos perder pelas ruelas. Mas claro, ao avistarmos o Ufficio Informazioni Turistiche, entramos e pedimos um mapa da cidade. Daí vimos a existência de uma fortaleza que tinha uma vista panorâmica do vale e também da cidade. O bom destes pérolas esquecidas pela massa de turistas é que podemos deixar nosso filho solto pra correr e curtir a sua maneira o lugar. Encontramos diversos poços por ali (sempre protegidos por grades), e daí a diversão virou gritar dentro do poço pra ouvir o eco. e alguns são bem profundos...
Perambulando pela cidade, encontramos um grande portão de madeira aberto em um dos prédios. Não deu outra: primeiro foi o pescoço, depois o corpo inteiro e mais algumas fotos pra se lembrar: mergulhamos no passado... faltou Julieta Capuletto por ali, pois o cenário já estava todinho pronto.


 Depois de apreciar paisagens e arquitetura deslumbrantes, sentamos em uma mesinha na Via San Matteo. Lá degustamos um almoço delicioso (nhoque ao sugo e brusquetta) com o indispensável vinho branco bem gelado, perfeito para o calorzinho de julho na Toscana.
um brinde aos girassóis da Toscana!
Vai uma brusqueta com salada aí? 

Antes de irmos embora, ainda paramos pra mais um sorvetinho italiano. Escolhi o sabor lavanda com hortelã. Sentamos na Piazza della Cisterna - nos próprios degraus da cisterna e vimos a vida passar, os morados nas janelas, os turistas se indo e o sol se indo também.

O dia já se encaminhava para o final e ficamos na dúvida se ainda passaríamos por mais uma cidade ou voltaríamos para Siena. Resolvemos dar uma espiada em Colle di Val d'Elsa. Valeu mais pelo pôr-de-sol esplêndido que pegamos no trajeto, parando num campo de girassol fenomenal, do que pela cidade em si. Não desmerecendo, mas já tínhamos visto o bastante para um dia e a adrenalina do pôr-de-sol no campo de girassóis foi nossa coroação. Talvez devêssemos ter deixado esta cidade pra outro dia... que não teria quando. Já estava escurecendo, a cidade vazia. Mesmo sem achar que corríamos algum risco, havia um cerco clima "pavoroso" no ar, ideal pra algum filme de suspense.rsrrs Acho que ela merece no futuro uma segunda chance.
Entrada na ciade murada de Colle di Val d'Elsa.

A cidade possui uma segunda parte murada internamente, como que separando duas partes, como se fosse a entrada da "cidade real" dentro da cidade. Faltou termos estudado mais sobre o lugar...

Quanto à parada para as fotos com o sol se despedindo, foi um momento mágico. Parecíamos crianças de tão abobados que ficamos diante daquele mar de girassóis. E o mais empolgante é que não estávamos sozinhos, haviam muitos carros parando na estrada. A sensação que tínhamos era a de que tínhamos sido sorteados na loteria e o prêmio era poder ver aquela beleza toda, ao vivo e à cores, naquele exato momento...





Exibir mapa ampliado

5 comentários:

  1. Oi pessoal. Pelas cidadezinhas onde vcs paravam, ou pequenas ou médias, vcs encontravam lugar fácil para estacional de graça ou tinha que pagar estacionamento? Como foi essa questão do parcheggio?

    ResponderExcluir
  2. Oi Alessandra! Desculpe a demora pra te responder, e ainda estou devendo as dicas, aquelas... juro que mando uma hora dessas, he he... sobre os estacionamentos: Não é muito fácil encontrar lugar para deixar o carro não. Nas cidades pequerruchas, em geral nem pode circular de carro, então existem estacionamentos com parquímetro ao redor da zona "urbana". Por isso também sempre optamos por pegar hotéis que ficassem fora dsa cidades, com vaga de garagem, porque as vezes é preciso deixar o carro longe. Esses estacionamentos de parquímetro não são caros, e vc escolhe quantas horas quer deixar o carro, paga com moedas. Uma outra vez conseguimos deixar o carro em algum lugar gratuito, mas não é o usual. Bjos!!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Que viagem linda. Apaixonada por esses campos. Eles só se encontram nas estradas ou tb perto das cidades? Vou a Volterra de trem. Obg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marcia! Obrigada pela visita! Na época certa vc vê campos de girassóis "facinho", he he... eles estão por toda parte na região da Toscana e com certeza vc vai ver alguns do trem! Pertinho das cidades menores também é fácil encontrar! Bjos e boa viagem! ;)

      Excluir